Assinala-se hoje, simbolicamente, o Dia Nacional do Empresário. Simbolicamente, porque todos os dias o são. Para o empresário, força motriz da economia nacional, não há feriados, férias ou fins-de-semana.
O compromisso com clientes e parceiros e a responsabilidade perante todos aqueles que lidera obrigam-no a uma dedicação permanente à organização.
Empreendedorismo, esse termo que na última década irrompeu pelo espetro mediático nacional, é um conceito perfeitamente interiorizado no nosso ecossistema empresarial. Numa economia composta maioritariamente por micro e pequenas e médias empresas, os ingredientes são transversais aos diversos setores de atividade: resiliência, adaptação permanente às novas circunstâncias, espírito de sacrifício e um permanente foco na qualidade.
Esta terá sido a mudança mais importante operada na economia produtiva portuguesa. A capacidade de alterar os fatores de competitividade, abandonando o fator preço e apostando na diferenciação pela qualidade, inovação e rigor.
Este compromisso é o traço característico do empreendedor nacional. Em condições quase sempre desvantajosas, emprega total abnegação em todos os compromissos e tarefas que abraça. O cumprimento dos prazos, a qualidade do serviço prestado e a promoção de um relacionamento de longo prazo distinguem as empresas lusas.
Muitas vezes, a emoção parece sobrepor-se à razão. Mas é nesse sentimento, nessa paixão, que reside a vitamina que diariamente alimenta a produção, os serviços e as exportações portuguesas.

Sara e Pedro Rego

Administradores da F. REGO – Corretores de Seguros